sábado, 24 de abril de 2010

"PERNA ABERTA", NA CANARICULTURA


Foto 1

Este tipo de situação nunca me tinha acontecido, mas após verificar algo de anormal numa das minhas aves no momento de a anilhar fiquei um pouco triste e pesquisei sobre algo para resolver uma situação de "pernas deficientes" ou "pernas abertas "  em canários... Foi com surpresa que encontrei algo descrito como "Perna aberta" e aí entendi que o problema já era conhecido no Mundo da canaricultura, nome simples mas que na realidade retrata a origem da deficiência. (ver Foto 1)

Este tipo de problema, segundo varias experiências, a minha incluída, foi originado pelo facto de a cria ser única no ninho, e agravada pelo facto da fêmea raramente sair do ninho, não a deixando assim levantar-se.. Muitas vezes este tipo de situações também ocorre pelo facto de o ninho ser demasiado grande e plano, ficando a cria numa situação de desequilíbrio, e ao tentar recuperar equilíbrio afasta as pernas e provocando assim uma deficiência, uma vez que está a crescer de dia para dia, deficiência essa que dificilmente se vai recuperar no Futuro.. Para ajudar a evitar este tipo de situação, pode-se colocar um ovo de plástico nos ninhos até as crias terem cerca de 10 dias, para assim terem algo onde se apoiar e poderem mexer mais á vontade..

Foto 2

Sendo que o esqueleto da ave ainda esta em crescimento, tentei através de meios artesanais remediar a situação, mas mesmo assim pouco havia a fazer, tive de por um ponto final na historia com muita pena e sacrifício meu, mas foi melhor para ela, nunca se iria poder apoiar no poleiro..  Tentei colocar um fio a unir as patas na sua posição normal, mas era demasiado tarde, se repararem os dedos da pata afectada estão completamente deformados. (Foto 2)

Espero que nunca tenham de fazer o que fiz hoje, nem tenham situações idênticas a estas no vosso canaril..

Cumprimentos,

Nuno Carvalho

4 comentários:

Alves disse...

Olá Nuno...
acho que você não estava esperando encontrar um criador que passou por um episódio como este comentando aqui no seu blog. Mas há dois anos atrás isto aconteceu comigo exatamente desta maneira com um filhote de frisado parisiense. Hoje não crio mais canários de porte, mas nesse ano isto foi horrível, tive que passar pelo mesmo episódio que você pois não consegui a melhora do filhote. Em casos como esse não ha muito o que fazer após ter verificado a atrofia. E no meu caso, ainda foram as duas perninhas, pois só estava ele no ninho. Infelizmente na canaricultura deparamos com fatos que nos deixam tristes como este, mas não podemos desanimar e temos que seguir em frente, pois em tudo na vida é assim. Existem altos e baixos.

Um bom ano pra você. Abraço.

Nuno Carvalho disse...

Olá Alves..

Realmente custa fazer isto a uma ave, e ainda por cima as criações este ano não andam famosas e cada perda é uma enorme perda.. Este tipo de situações é ainda mais difícil de digerir pois a cria tinha saúde, mas não tinha futuro, pois não iria ter como se apoiar no poleiro.. Se estivesse na natureza morreria 1 dia depois dos irmãos saírem do ninho.. Por uma lado a natureza actuou mas pelas minhas mãos..

Boa sorte com as criações,
Abraço,
Nuno Carvalho

Armindo Tavares disse...

Olá,esse acontecimento contrariamente ao que é divulgado nos fóruns ou blogues é mais comum do que se pensa. Também há situações ao contrário, isto é: de uma postura de 4 ovos nasce só um canário, se não se retirar nos 2 dias imediatos os outros ovos (como diz e bem deve-se deixar ficar sempre um para servir de apoio à cria) corre-se o risco de o filhote ficar "entalado" nos outros ovos e perecer. A mim já me aconteceu.
Parabéns pelo blogue.
Saudações ornitófilas.

Nuno Carvalho disse...

Olá Armindo Tavares..

Essa situação não conhecia, mas é sempre bom poder contar com a sua experiência para assim eu ficar mais á alerta em relação a isso, pois eu até costumo deixar 2 ovos, mas vou começar a não os deixar..

Obrigado pelo elogio ao blog, e boas criações com os seus Arlequins, espero que estes lhes dêem muitas alegrias..

Cumprimentos,
Nuno Carvalho

Postar um comentário